Como desenvolver autoconhecimento emocional na vida profissional? | Arita - Treinamento de Inteligência emocional

Como desenvolver autoconhecimento emocional na vida profissional?

Como desenvolver autoconhecimento emocional na vida profissional?

O desenvolvimento e aprimoramento profissional tem estado cada vez mais na lista de objetivos das pessoas. Embora a experiência adquirida ao longo da carreira seja de grande valia, o autoconhecimento emocional tem ganhado espaço nos pré-requisitos profissionais. Grandes líderes destacam-se no mercado devido a sua habilidade de gerir pessoas e sentimentos, por isso, mas o que poucos sabem é que o autoconhecimento emocional é uma habilidade possível de desenvolvimento e aprimoramento. E é sobre isso que falaremos neste texto.

Autoconhecimento emocional na empresa: por que é importante?

Podemos dizer que a inteligência emocional é uma ferramenta auxiliadora para nos ensinar a lidar com os nossos sentimentos – tanto os bons, quanto os ruins. Hoje, as metas das empresas são cada vez mais audaciosas, exigindo sempre o máximo de seus colaboradores. Isso gera estresse em todos e a situação pode desencadear raiva, irritação, cansaço, baixa produtividade, falta de foco, entre outros sentimentos negativos.

O autoconhecimento emocional te permite compreender qual é o sentimento naquele momento, o motivo por trás dele e como você irá reagir a ele para que isso não sobrecarregue o ambiente de trabalho e as pessoas a sua volta. Por exemplo, saber distinguir que determinado sentimento é resultado da pressão do chefe e não culpa de um membro da sua equipe. Todo esse discernimento você ganha com o tempo ao praticar inteligência emocional, afinal, se a cada problema que surgir reagirmos impensadamente, certamente a nossa carreira terá os dias contados.

Dicas para desenvolver o autoconhecimento emocional

Não existe uma regra específica porque somos todos diferentes, mas alguns direcionamentos podem te ajudar a desenvolver o autoconhecimento emocional. Confira algumas dicas:

  1. Dedique um tempo para você. Isto é fundamental para descobrir o que te faz bem, quais são as atividades que realmente te dão prazer em realizar. Se possível, faça isso sozinha. Hoje, existe um certo glamour em recusar um convite e justificar “Estou muito ocupada”, mas a verdade é que quanto menos tempo você tem para si, mais exausta você ficará ao longo dos dias.
  2. Reflita sobre você mesma. Até as questões mais simples são válidas: Quem sou eu? Quais são os meus objetivos pessoais e profissionais? Quais são os meus valores? Do que eu (não) gosto? O que me faz feliz? O que me deixa triste? Quais são meus sonhos? Pode ser que você não saiba responder muitas dessas perguntas de imediato, mas guarde para si esses questionamentos, amadureça seus propósitos em cima delas. Se te ajudar, faça uma lista. Pegue um papel e uma caneta e escreva suas qualidades, fraquezas, sonhos, coisas que te incomodam, o que você gosta e assim por diante. Certamente você irá se surpreender com essa lista à medida que preenche-la.
  3. Compartilhe suas reflexões. Muitas vezes, ao expor seus pensamentos a ideia pode se tornar mais clara. Converse com alguém que não te julgue e que poderá agregar qualidade as suas dúvidas de alguma forma. Pode ser uma amiga, o marido, a esposa, a mãe, o coaching… Escolha a pessoa com quem você se sente mais à vontade para compartilhar seus questionamentos mais íntimos.
  4. Seja humilde e esteja pronta para desconstruir. A partir de suas reflexões, esteja ciente de que ao longo do processo você pode rever conceitos, ideias, crenças e tudo o mais. Faz parte! Não é algo fácil de se fazer, mas para o autoconhecimento é um passo necessário.
  5. Converse com um coaching. Este profissional está qualificado para te orientar em todas as suas reflexões de autoconhecimento emocional, inclusive te auxiliar para encontrar a resposta. Ele consegue localizar com mais clareza a origem de seus sentimentos e quais as implicâncias deles.

Tenha em mente que o autoconhecimento emocional não é algo desenvolvido imediatamente. Existe todo um processo a ser trabalhado, por isso um profissional pode ser uma boa escolha. Independentemente de sua escolha, ainda é uma característica que vale a pena aprimorar.

Crédito: Deagreez / Tipo de licença: Royalty-free / Coleção: iStock / Getty Images Plus

 

 

 

 

Lizandra Arita

Graduada em Psicologia pela Universidade Bandeirante de São Paulo e em Engenharia pela FEI, Lizandra Arita é também psicóloga Institucional e Clínica, atuando desde 1998 (22 anos) em treinamentos de autodesenvolvimento. Especialista em PNL (Programação Neuro Linguística), Hipnose e Autohipnose, Rebirthing, Psicodinâmicas, Gerenciamento de Emoções e Conflitos, Lizandra é especialista em casos de depressão, ansiedade, processos emocionais ou comportamentais, problemas de relacionamento, fobias, pânico e transtornos obsessivos compulsivos.

Entre suas especializações, Lizandra tem formação em cursos de aperfeiçoamento de Master Practitioner pela SBPNL, Disney’s Approach to Quality Service (Disney Institute), Os Segredos da Mente Milionária (T. Harv Eker), Unleash the Power Within (Anthony Robbins), Hipnose & Auto-Hipnose (Instituto AmanheSer), Formação Profissional em Renascimento (Instituto Renascimento), Rebirthing (Instituto Sinergia),Grupo Dirigido de Psicodinâmica em Negócios (Cogni MGR), The Healing Potential of Non-Ordinary States of Consciousness (Stanislav Grof), Movie Yoga – Turning Your Life into an Epic Adventure (Tav Sparks), The Adventure of Self-Discovery/A Holotropic Breathwork Experience (Stanislav Grof e Tav Sparks), Gerenciamento de Emoções e Conflitos (Cogni MGR) e Psicologia Pré e Peri Natal (ACT Institute).

ARTIGOS RELACIONADOS

Fale por Whatsapp